Gonçalves

Passamos o fim de semana em Gonçalves, Minas Gerais e ficamos hospedados na pousada Solar D’Araucária, mais especificamente no incrível chalé 18 que tem dois andares. O primeiro com uma cama de casal super confortável, lareira, banheiro com uma ducha incrível e frigobar, além de uma salinha de estar com vista para a mata! Agora, o melhor estava guardado para quando a gente descia as escadas e chegava na jacuzzi cercada do verde visto pelas janelas, lavabo e uma varanda perfeita para relaxar ao som do rio encachoeirado.  Com tudo isso, ficava difícil querer sair do quarto!
dsc_9332-rr-e

Isso tudo, sem contar com a recepção romântica que tivemos, com pétalas de rosas espalhadas pela jacuzzi e pela cama, além de trufas caseiras e toalhas personalizadas. Os amenities são todos da L`occitane.

dsc_9334

dsc_9344

dsc_9367

dsc_9823

O hotel conta com outros dezoito chalés, cada um de um jeito, mas todos com vista para a natureza e jacuzzi. O maior deles, o dezenove é quase uma casa, com 110 metros quadrados. Somente a área externa do chalé tem 60 metros quadrados com jacuzzi, lareira, ôfuro, sauna e espaço para meditação. Com certeza voltaremos para ficar neste pequeno oásis em meio às montanhas de Minas Gerais.

A Claudia e o Mauro são proprietários da aconchegante pousada há mais de dezoito anos e cuidam dos hóspedes com muito carinho. Eles ficam na recepção, ao lado do bem recomendado restaurante do hotel, o Nó de Pinho. Comemos uma das melhores refeições da viagem ali, um ravióli recheado de cogumelos selvagens servido na crosta de parmesão, simplesmente de comer rezando!

O café da manha é caseiro, com muitas frutas e sucos frescos, iogurtes, cereais, pão de queijo, pães e frios, além dos deliciosos quitutes caseiros como bolachas, doces e o melhor bolo de chocolate que já provamos. Ele parece um bolo de petit gateau com muita cobertura que valem todas as calorias possíveis!

dsc_0207

dsc_0209

dsc_9448

dsc_0247

Além dos chalés e restaurante, o hotel conta com lagos para pesca esportiva, área de massagem e relaxamento, sauna seca e úmida, piscina climatizada e trilhas com acesso ao Ribeirão Campestre que passa pela propriedade e suas belas cachoeiras e quedas d água.

Para chegar a Goncalves desde São Paulo e região existem algumas opções de caminho, uma delas passando por uma estrada de terra que pode ser trafegada o ano inteiro e está em boas condições quando se vem pela Fernão Dias, ou um segundo pela Ayrton Senna e Carvalho Pinto. No site da pousada está tudo bem explicado, mas usando o Waze você não deverá ter problemas. A cidade está a mais ou menos 200 km da capital paulista.

A alta temporada são os meses de inverno, mas o clima é agradável o ano todo e não poderíamos ter optado por uma época melhor que dezembro, mesmo que seja a época com maior tendência a chuva, não tivemos grandes problemas com a garoa que nos acompanhava na hora de dormir.

A culinária de Goncalves nos impressionou positivamente e fez jus a fama de reduto de ótimos restaurantes que além do charme contam com comida gourmet de qualidade e a preços razoáveis se comparados aos preços praticados nas grandes cidades. Visitamos três restaurantes e uma doceria, além do restaurante da pousada mencionado acima.

No “’Flor de Cerejeira”(link) provamos na hora do almoço de sábado um risoto de limão siciliano com bife de ancho alto. O ponto da carne e o risoto estavam deliciosos. O restaurante tem uma varanda com vista do centrinho da cidade e das montanhas a sua volta. Nosso favorito do centro com certeza. Já para o jantar, optamos por petiscos e o ambiente agradável do Le Gourmet Bistrô (link), localizado na estrada de terra do nosso hotel, apenas dois quilômetros distante dele. Provamos o Pernil Loco, as Croquetas de Carne (arriscamos dizer que foram as melhores que já provamos na vida), as coxinhas gourmet, calabresa apimentada acebolada e as deliciosas saqueirinhas de lima da pérsia. Só paramos de provar e pedir mais comidas por falta de espaço no estomago, estava tudo simplesmente delicioso! Os donos super-receptivos nos explicavam os ingredientes e modo de preparo da comida, para petiscos e lanches não pudemos conhecer lugar melhor.

De volta ao hotel, no domingo de manhã aproveitamos para caminhar até a cachoeira e aproveitar o visual e o som da natureza. Mas muitos hóspedes contratam serviços de guia ou fazem trilhas com seus próprios carros para as inúmeras cachoeiras e trilhas nas montanhas da região, entre as mais famosas a Pedra de São Domingos, a Pedra do Forno e a Cachoeira do Simão, entre tantas outras. Não vistamos nesta viagem, pois preferimos aproveitar tudo que a pousada tinha a oferecer e não poderíamos ter feito escolha melhor, por outro lado, temos motivos incontáveis para retornar.

dsc_0317

dsc_0323-e

Falar tchau para nosso chalé e todos os seus pequenos luxos foi muito difícil. A vontade de um último banho na jacuzzi ou ler mais uma pagina do livro de cabeceira na varanda ficarão para a próxima, ou as próximas vezes.

Antes de ir embora, provamos a comida do pitoresco Janelas com Tramela (link) e a pedida foi um bolinho de milho com geleia de pimenta muito bom e um parmegiana que não agradou tanto assim. O restaurante é famoso por ter musica ao vivo e comida mineira, então acho que nossa impressão não foi melhor pela má escolha do prato. Entretanto, o lugar é muito bonito e vale pelo ambiente.

Voltamos para casa com a vontade de já marcar nosso retorno e curtir outro chalé do hotel e conhecer outros restaurantes gourmets da pequena Gonçalves que já ganhou nosso coração!

dsc_9763-e

dsc_0038

Para reservar sua estada nesse delicioso hotel, clique aqui: Pousada Solar D’Araucária

 

 

 

 

 

 

Comments

comments

Maria Alice & Rafael
hello@fastencitybelt.com.br

Um casal apaixonado pela aventura de ver o mundo com outros olhos, fotografar por outros ângulos e passear por lugares óbvios em busca do incomum. A ideia do site nasceu da união da profissão do Rafael como fotógrafo e das oportunidades de viagem que os estudos da Maria Alice proporcionaram, somado as viagens que sempre fizemos como hobby.