Foz do Iguaçu

Visitamos Foz do Iguaçu no último Carnaval. Ficamos 4 noites na cidade e achamos mais do que suficiente, em 2 noites já é possível visitar as principais atrações do lugar, as cataratas do lado brasileiro e do lado argentino. Entretanto, deixa-se de lado muita coisa, como o parque das aves, as compras no Paraguai para aqueles interessados em produtos com tax free e a gigantesca obra da usina de Itaipú.

Ficamos hospedados em um hotel no centro de Foz chamado Continental Inn (reserve aqui), mas adoraríamos ter ficado no Hotel das Cataratas (reserve aqui), que visitamos depois. Acordar e ir dormir com o som da força das águas e ter a chance de vê-las ao anoitecer com certeza vale a diferença no valor da diária.

No primeiro dia optamos por ir de táxi do hotel ao parque das cataratas e achamos muito válido pelo conforto, mas para aqueles que estão em quatro pessoas o valor fica muito mais atraente. Ao chegar ao parque, filas específicas para pessoas com necessidades especiais, idosos, nacionais e estrangeiros; tudo muito organizado e rápido, mesmo sendo feriado. Mais informações no site.

O lado brasileiro tem acesso muito fácil, caminhada leve e garante um visual incrível das cataratas com inúmeros mirantes ao longo do caminho. Ao fim e ao longo do passeio lanchonetes e restaurantes servem os turistas e banheiros também estão disponíveis.

Já do lado argentino as coisas não são tão simples assim, entretanto a emoção de sentir-se dentro da catarata na Garganta del Diablo é imbatível e com certeza você tem que visitar.

Contratamos novamente um táxi desde o nosso hotel, mas diversas agências fazem esse tour de um dia. Chegamos de carro na fronteira, mostramos nosso rg ( carteiras de motorista não são aceitas, atenção!) e sem maiores problemas fomos liberados. Lembra-se de checar o valor exato da entrada do lado argentino (link) e levar o valor em pesos argentinos para evitar perder dinheiro no câmbio ou correr o risco de ficar sem troco.

Fomos durante o Carnaval e achamos que isso pode ter influenciado na confusão que vivenciamos ali, mas de qualquer forma a organização do lado brasileiro nos pareceu superior. Com as entradas compradas, entramos na fila do trem que nos levaria a duas paradas distintas dentro do parque. A confusão começou ali, pois uma vez dentro do trem você tem que obrigatoriamente descer na primeira parada e entrar na fila de novo caso queira ir para segunda parada (as filas de espera passavam de duas horas quando fomos).

O passeio do lado argentino em um dia normal também pode ser considerado de esforço leve, mas em dias como o que estivemos lá, o esforço pode ser considerado médio. As trilhas são planas e conta com o acesso por trem, mas as distancias são mais longas que do lado brasileiro. Toda a caminhada vale a pena quando se chega na Garganta del Diablo, sensação indescritível que se sentir dentro da catarata.

Não vistamos o Parque das Aves, mas escutamos ótimos comentários a respeito do lugar, principalmente para quem viaja com crianças. Quem tiver interesse não deixe de procurar por mais informações no site deles.

Por ultimo, fizemos um tour de meio dia para Itaipu(link) e mesmo não sendo muito fãs de grandes obras da engenharia, podemos garantir que o lugar impressiona. Passeamos de ônibus por todas as instalações, cruzamos a fronteira com o Paraguai e terminamos com explicações e mitos a respeito da construção e administração do complexo.

Esperamos que vocês tenham viajado conosco e tenham ficado loucos de vontade de conhecer essa maravilha da natureza que pertence em parte ao nosso país.

Comments

comments

Maria Alice & Rafael
hello@fastencitybelt.com.br

Um casal apaixonado pela aventura de ver o mundo com outros olhos, fotografar por outros ângulos e passear por lugares óbvios em busca do incomum. A ideia do site nasceu da união da profissão do Rafael como fotógrafo e das oportunidades de viagem que os estudos da Maria Alice proporcionaram, somado as viagens que sempre fizemos como hobby.